top of page
Buscar
  • Foto do escritorRodrigo Lamonier

Não existe alimento anti-inflamatório!

Atualizado: 10 de jul. de 2023




Primeiramente, afirmar que um alimento é anti-inflamatório é algo extremamente vago, já que existem dezenas vias metabólicas relacionadas com a resposta imunológica do nosso corpo. E inclusive, a inflamação, dentro da normalidade e controlada pelo nosso organismo, é algo natural e muito importante na manutenção da saúde. Ou seja, se alguém te diz que o alimento X é anti-inflamatório, é importante questionar essa pessoa qual tipo de resposta anti-inflamatória (já que existem centenas de vias) que tal alimento resulta, se há realmente estudos bem controlados em humanos e com desfechos CLÍNICOS (não apenas em parâmetros do sangue) com esse resultado.


E posso te afirmar, são pouquíssimos estudos realizados em humanos que avaliam a resposta isolada de determinados alimentos em parâmetros metabólicos e sinais clínicos. Por exemplo, em algumas doenças, o fato de um alimento reduzir um marcador inflamatório específico pode não significar NADA no curso da doença e nos sintomas daquele indivíduo.


Vamos para outro exemplo? Existem trabalhos demonstrando que a exclusão do glúten pode reduzir um marcador chamado de Anti-TPO que está presente e aumentado em pessoas com hipotireoidismo de hashimoto. E sabe o que acontece quando você restringe o glúten desses paciente? O Anti-TPO reduz. Sabe qual a mudança clínica disso na vida do paciente? NENHUMA. O curso da doença continua, a doença não regride, não há mudanças clínicas normalmente e nem mesmo as doses da medicação (levotiroxina) é reduzida. Ou seja, caso o paciente não tenha sintomas realmente com o GLÚTEN, a exclusão vai reduzir um marcador sanguíneo que não mudará nada o curso da doença e ainda causará sofrimento e limitações alimentares ao indivíduo.


A maioria dos estudos que avaliam o impacto na resposta inflamatória de alimentos isolados são feitos em culturas de células, cujo os resultados NÃO devem ser associados com nós humanos. E isso pelo fato de dezenas de estudos mostrarem resultados positivos in vitro, mas quando são feitos em humanos não mudam nada e podem até trazer problemas.


O que existe e o que há de estudos são perfis alimentares com potencial mais "anti-inflamatório", associados com menor incidência de doenças crônicas não transmissíveis e mortalidade em geral. E nesses trabalhos, ainda assim, não existe uma correlação causal, por exemplo: fazer a dieta X previnirá a doença Y. Mas sim uma associação de risco, ou seja, fazer a dieta X poderá reduzir o RISCO da incidência da doença Y (e acredite, há uma GRANDE diferença entre as duas situações).


E um exemplo de uma dieta com um perfil mais "anti-inflamatório", é a dieta com padrão mediterrâneo, cuja base são as frutas, hortaliças em geral, cereais integrais, leguminosas, peixes, leites "magros" e menor consumo de carne vermelha.


Então, não fique se apegando em detalhes muito pequenos e foque em coisas que realmente trarão grandes benefícios, como melhorar seu padrão alimentar, fazer exercícios e dormir bem.


Agende sua consulta para uma orientação individualizada!

20 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page