top of page
Buscar
  • Foto do escritorRodrigo Lamonier

Leite é uma bebida inflamatória?

Atualizado: 10 de jul.


Não, o leite NÃO é uma bebida pró-inflamatória e vou te explicar o porquê.

Bom, o leite é uma das bebidas mais polêmicas da atualidade quando o assunto é nutrição e saúde, já que de um lado um grupo de pessoas e profissionais abominam o seu uso, enquanto que do outro seu uso é encorajado. Como profissional da saúde, defendo ser muito importante sempre ouvirmos os argumentos apresentados em relação aos possíveis “malefícios ou benefícios” do leite, priorizando, porém, sempre as informações pautadas pela CIÊNCIA, principalmente na hora de decidir se a prescrição deve ou não ocorrer (além de, é claro, das individualidades e gostos dos pacientes).

Então, como profissional que valoriza a ciência, o leite NÃO é uma bebida pró-inflamatória quando utilizado por pessoas saudáveis, o que engloba pessoas sem alergias/sensibilidade às proteínas do leite de vaca e sem intolerância ao seu carboidrato (lactose). Sendo assim, caso você goste de beber leite e se sinta bem com esse consumo, NÃO o retire do seu cardápio alimentar!


Você provavelmente já deve ter lido muitas informações acerca do leite e as afirmações de que ele NÃO deveria ser tomado por pelo menos alguns dos seguintes motivos:


• Engrossa a pele e engorda;

• Somos os únicos mamíferos que bebem leite após a fase adulta;

• Os leites de caixinha não são leite, são riquíssimos em aditivos e por isso duram vários dias na prateleira;

• Piora a inflamação do corpo por aumentar citocinas inflamatórias;

• Causa osteoporose;

• Causa pedra nos rins;

• Piora a sinusite e aumenta a produção de muco.


Existem dezenas de outras falácias sobre os “porquês” de não consumir leite, mas, neste momento começarei a desmistificar uma a uma dessas que relatei acima.


Primeiramente, o leite NÃO “engrossa” a pele e não existe nenhuma evidência científica de qualidade demonstrando tal efeito. Caso sua pele esteja “grossa” de forma excessiva, é provável que seja devido ao acúmulo de gordura corporal que se justifica por uma ingestão calórica aumentada em médio e longo prazo (além de outros inúmeros fatores que influenciam no excesso de peso/gordura corporal). Além disso, vários trabalhos demonstram que populações que consomem mais laticínios, em média, possuem maior muscularidade e menor adiposidade corporal, o que pode ser justificado pelo fato de o leite ser nutricionalmente bem interessante.


A afirmação de que somos os “únicos mamíferos que bebem leite após a fase adulta” é a que chega a doer os meus ouvidos, principalmente quando utilizada como base absoluta para justificar o não consumo do leite. Na verdade, somos os únicos mamíferos que dominam a agricultura, que possui processos industriais altamente tecnológicos para ordenha e tratamento de laticínios, que voa em aeronaves, que se aprofunda em temas que gera curiosidade... Ou seja, somos os únicos em muitas coisas, então esse argumento não merece nenhuma justificativa ampla.


Os leites de caixinha são SIM leite, NÃO são extremamente ricos em aditivos e duram muito tempo em prateleira devido a tecnologia dos alimentos. O processamento do leite, antes de ser adicionado em uma embalagem tetrapak, garante que todas as bactérias ali presentes sejam eliminadas e o produto fique isento desses microrganismos. E se um produto não apresenta microrganismos, automaticamente eles durarão muito mais tempo na prateleira, já que são eles que metabolizam e deterioram o leite quando não tratado. Faça um teste, abra a embalagem tetrapak e a deixe destampada fora da geladeira por um tempo, você verá que por ter contato com o ar do ambiente que possui microrganismos, o leite de caixinha durará pouquíssimo tempo. Além do mais, as substâncias presentes no leite, como citrato de sódio, difosfato e trifosfato de sódio, consumidos dentro das recomendações diárias (2-3 copos de leite por dia), não trarão nenhum problema para você! E caso não queira se expor, existem opções no mercado que apresentam apenas o citrato de sódio.


Como dito nos primeiros parágrafos, o leite não causa inflamação em pessoas saudáveis e, inclusive, existem dezenas de estudos demonstrando que ele pode até mesmo trazer respostas anti-inflamatórias. O que você não deve é beber litros de leite todos os dias e esquecer de outros alimentos, inclusive, outro problema é adicionar quilos de açúcar ou achocolatado durante o dia todo. Essa informação sobre “causas inflamatórias” ganhou força após a publicação de um estudo de associação que demonstrou que pessoas que consumiam grandes quantidades de leite, apresentavam maior risco de fraturas em decorrência da osteoporose. Porém, estudos associativos não podem ser utilizados para afirmar uma causalidade (por exemplo, beber leite causa osteoporose), e sim apenas para demonstrar risco (por exemplo, beber leite aumenta o risco de osteoporose). Mas, afirmar que leite causa osteoporose com base apenas em um trabalho é um grande problema, ainda mais quando há ensaios clínicos randomizados (maior grau de evidência) demonstrando efeitos opostos, de benefícios obtidos por pessoas saudáveis ao consumirem laticínios.


Os estudos com relação ao leite e pedra nos rins demonstram o OPOSTO, que o consumo de leite e derivados REDUZ os riscos de litíase renal (pedra nos rins), principalmente daquelas causadas por oxalato de cálcio. As pessoas acreditam que a pedra de OXALATO DE CÁLCIO ficaria pior ao inserir alimentos ricos em cálcio, porém, é o oposto que ocorre! Ao inserir cálcio através da dieta há uma redução do processo de reabsorção óssea, o que automaticamente reduz a quantidade de cálcio que chega aos rins. Então, não fique com medo de beber leite caso você tenha histórico de cálculos renais.


A piora de quadros de sinusite ou aumento de muco é um daqueles temas mais controversos, já que a maioria dos estudos não conseguem demonstrar esse efeito do consumo de leite. Porém, na prática clínica, alguns pacientes relatam melhora dos quadros de muco em excesso e sinusite após retirar e/ou reduzir o consumo de leite. Então, nesses casos, vale a pena a realização de testes com o acompanhamento de um nutricionista para verificar se existe mesmo essa correlação.


Resumindo, é bem provável que se você vir alguém falando mal do leite, inclusive relatando que tem como base de conduta artigos científicos de qualidade, é comum que a população desses artigos apresente intolerância à lactose e/ou sensibilidade às proteínas do leite de vaca. Então, o leite é SIM uma excelente opção para fazer parte do seu cardápio alimentar, desde que você não tenha nenhuma contra indicação do consumo.


Referências:


Kirsten B Holven, Angel Gil, Oscar D Rangel-Huerta. Milk and Dairy Product Consumption and Inflammatory Biomarkers: An Updated Systematic Review of Randomized Clinical Trials. Advances in nutrition. 2019 May 1;10(suppl_2):S239-S250.


Hanieh Malmir, Bagher Larijani, Ahmad Esmaillzadeh. Consumption of milk and dairy products and risk of osteoporosis and hip fracture: a systematic review and Meta-analysis. Crit Rev Food Sci Nutr. 2020;60(10):1722-1737.

35 visualizações0 comentário
bottom of page